Querubins - A sentença da espada de Martha Ricas



Sinopse
Uma guerreira do céu; Uma dama vitoriana; Uma guerra invisível.
Querubins, a sentença da espada é um relato em duas vozes: a da querubim Chaya, enviada a uma vila celta pré-cristã e que não vê no homem um ser especial, mas com um espírito guerreiro que não a deixa fugir de uma batalha, e a de Mary Grace, uma donzela da Inglaterra vitoriana atormentada por visões que não consegue desvendar.Ambas as tramas se desenlaçam por caminhos intrépidos e podem estar mais ligadas do que imaginam. Garota e querubim podem e precisam mudar o mundo em épocas diferentes. Seguindo os mesmos passos por cenários deslumbrantes e segredos cada vez mais profundos, elas o farão querer embarcar nas intrigas palacianas e nas batalhas angelicais.Recheada de paixão, mistério, ação e intrigas políticas, a trama é tão perturbadora quanto fascinante.

Opinião
Querubins – a sentença da espada é um livro cativante, é uma história sobre anjos e demônios e o conflito entre estes dois. Escrito por uma autora nacional de forma simples e que busca entreter e deixar o leitor intrigado.
A história é dividia em duas: pelo ponto de vista de Chaya, um querubim de língua afiada que foi mandada a uma vila celta pré-cristã e de Mary Grace uma garota da Inglaterra vitoriana.  
Mesmo se passando em épocas diferentes as histórias se ligam ao final.
Chaya tem a missão de se infiltrar em uma vila celta e resolver aos poucos os problemas causados pelos demônios. Nunca se interessou pelos homens, porém durante sua missão aos poucos vai se afeiçoando a eles.
É uma personagem segura de si e suas lutas são empolgantes e mostram sua força.
Mary Grace é uma moça extremamente melancólica e que se afoga em magoas. Não possui um bom relacionamento com os pais e nem amigos próximos. Desde criança é atormentada por visões de criaturas e por conta disto a maioria das pessoas acham que ela é louca. Ela conhece Anton que tenta ajuda-la a acordar para vida e entender o porquê de suas visões. Aos poucos ela se apaixona por este rapaz.


"(...)Você passou a vida toda lamentando tudo, nunca se moveu para mudar nada, apenas foi empurrada de um lado para outro e, quando acabou os estudos pensou em ficar armazenada. Realmente, é a verdadeira boneca de porcelana, intocável, bela e inútil." - Anton, pag. 109


A personalidade depressiva de Mary chega a incomodar, ela apenas se lamenta e reclama sobre a personalidade das pessoas. O que fez eu gostar da personagem é sua repulsa por seguir os padrões: arrumar um bom marido, manter o nome da família, cuidar da casa, dos filhos...


"Então percebi que não importava. Eu era uma criança ingrata e caprichosa. Cega demais em mim mesma e na minha angústia para servir um bem maior." - Mary, pag. 134


Não faltam emoções e lutas neste livro. Os acontecimentos são fáceis de entender e possui um suspense bem suave que te prende na narrativa, possui até algumas pitadas de romance que fazem a gente se afeiçoar aos personagens e torcer por eles.
O que mais gostei é que a história não romantizou a querubim. Ela tem seu dever, vai até a Terra e o cumpre. Se envolve com os homens, mas para trazer apenas paz e conforto em seus corações. 
É uma história cativante que conseguiu arrancar algumas lagrimas. Achei apenas um pouco confuso no começo, pois não percebi a alternância dos capítulos (uns narrados por Chaya e outros por Mary).


| Editora: Novo Século | Autor: Martha Ricas | Páginas: 239 | Skoob |

9 comentários:

  1. Olá! Devo dizer que tenho uma certa queda por histórias com anjos e demônios. Gosto da maneria como a autora coloca esses elementos divinos e infernais no mundo comum, e como ela faz esse misto entre os dois mundos. Achei essa querubim bem original e gostaria de ver essas lutas que ela tem. E quero muito saber como os caminhos dela e da humana se cruzam, e como Mary evolui e descobre o que são essas visões, achei ela meio sem sal.. Obrigada pela dica!

    Bjoxx ~ Aline ~ www.stalker-literaria.com ♥

    ResponderExcluir
  2. Oi, Fabi.
    Que história bacana. Fiquei curiosa para saber mais.
    Gosto muito de tramas com anjos e acho que esse livro pode ser uma ótima pedida.
    Por enquanto estou correndo para dar conta de uma pilha de livros que tenho aqui, mas vou anotar sua dica para o futuro!
    Beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
  3. Li algumas histórias sobre essa disputa entre anjos e demônios e curto bastante. Esse parece ter uma pegada diferente e gostei dos pontos que você citou. No momento, não fiquei interessada em ler o livro, mas quem sabe mais para frente.

    Beijos, Gabi
    Reino da Loucura | Instagram

    ResponderExcluir
  4. Olá Fabiana.

    Nossa, acredito que nunca tive a oportunidade de ler uma história que envolva anjos e demônios. Gostei muito da sua resenha e gosto dessas criaturas,uma vez joguei um RPG na qual interpretava um anjo e foi muito incrível. Como não conhecia essa obra, anotei a dica

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Oie, que bacana a sua resenha! Faz muito tempo que não leio nada envolvendo anjos e demônios, acho esse tipo de narrativa muito bom quando a ambientação é bem feita. Talvez eu me irrite com a personalidade da mocinha depressiva, mas faz parte, né? Dica anotada.

    ResponderExcluir
  6. Oi Fabi!
    Gosto muito de ler onde as histórias envolve anjos, querubins e até demônios kkk, gostei do enredo me chamou a atenção sobre o dever e as batalhas, parabéns pela resenha foi sincera em colocar seus pontos. Obrigado pela dica, fiquei curiosa de saber mais da história, bjs!

    ResponderExcluir
  7. Oi Fabiana,
    Não conhecia o livro, apesar de adorar romances sobrenaturais e histórias sobre anjos. Espero que a mocinha depressiva não seja muito mimizenta. Fiquei com vontade de saber mais sobre o livro. Dica anotada.
    Com amor, André
    Garotos Perdidos

    ResponderExcluir
  8. Ola Fabi, não conhecia o livro temas como esse entre Demônios e Querubins sempre me chama atenção, porém o fato de uma das protagonistas se lamentar demais irá me incomodar. Mesmo assim deixarei a dica anotada para ler em outro momento. beijos

    Joyce
    Livros Encantos

    ResponderExcluir
  9. Você falou certo, não romantizar a querubim, pois imagino que é o que se faria. Mas neste tipo de fantasia eu já me perco com tanta coisa envolvida. E é legal que a sagacidade da escrita não é para ficar com aquela coisa de romance cheio de clichês.

    ResponderExcluir