Menina-Mitacunã de Paulo Stucchi


Sinopse
 Um soldado negro, desertor do exército imperial do Brasil, e uma menina guarani cruzam o território paraguaio rumo a Assunção. Ainda que em silêncio, cultivam uma amizade calcada naquilo que não pode (e não precisa) ser dito. O cenário é a Guerra do Paraguai, conflito que dizimou a população masculina paraguaia e que, até hoje, é alvo de vários estudos históricos e de geopolítica
Olá pessoal!
Já faz mais ou menos um mês que aceitei participar da leitura coletiva de um livro nacional maravilhoso chamado Menina-Mitacunã. Agora vocês finalmente poderão conferir o que achei. Admito que foi bem difícil escolher as quotes e queria ter colocado muito mais.
Foi minha primeira leitura coletiva e gostei bastante da experiência. A melhor parte são as pessoas que estimulam você a ler para poder comentar o que achou do livro. 
Pretendo participar de mais leituras assim.
Agradeço a LC Agência de comunicação e ao Paulo Stucchi pelo convite e oportunidade.

Lembrando que o livro está disponível para compra na Amazon: https://amzn.to/2mJbCJJ

Opinião
Menina-Mitacuña é um romance histórico escrito por Paulo Stucchi. 
A história tem como cenário a Guarra do Paraguai, onde um soldado negro, um desertor do exército imperial do Brasil, cruza o território paraguaio rumo a Assunção para deixar em segurança uma garotinha guarani.

"Perdera a real liberdade quando se alistou e matou outros homens. Nunca mais seria livre. Pelo contrário, seria eternamente escravo de sua própria consciência, uma prisão interna talvez mais cruel do que o cativeiro"

Ambos não conversam, Negro João (o soldado) por ter perdida a fala e Maria (a menina) por não saber a língua de seu companheiro. Os personagens são bem construídos e mesmo sem se falar conseguem transmitir várias emoções.

"Talvez por isso, devido ao silêncio, eles tivessem se ligado tão rapidamente"

O autor tentou trazer o que os envolvidos com a  guerra sentiram na pele,  uma visão dos dois lados:  a dos soldados, tanto brasileiros como paraguaios, e a da população que sofreu com a guerra que trouxe miséria, dizimou boa parte da população masculina e um destruiu o país. 
O livro traz alguns fatos fictícios e outros que realmente aconteceram como: recrutamento de crianças paraguaias para lutar; boa parte do exercito brasileiro ser composta por negros escravos na promessa de alforria; o patriotismo do povo paraguaio que deu a vida por seu país...
Tudo isso faz com que a história seja bem comovente e você se afeiçoe aos personagens, pois fica a sensação de que aquilo aconteceu. 
Temos um pouco de espanhol e italiano neste livro durante os diálogos dos personagens que são estrangeiros. Vale um destaque para Giacono, um mercador que ajuda Negro João e Maria durante sua jornada.

"Dio santo, eu falo um poquito de tudo, italiano, espanhol, português e guarani, mas não falo nada direito."


A história da algumas voltas, é como se mostrasse fragmentos de memórias e depois os explicasse. Isso ajuda a criar um suspense no livro, pois você fica curioso para saber os detalhes de cada evento, e principalmente saber por que Negro João decidiu ajudar aquela menina. Acontecem tantas injustiças durante a história que você torce para que Negro João e Maria tenham um final bom.
Um livro curto, mas que te transporta até o cenário da guerra e te faz sentir angustia, revolta e se emocionar muito no final.

"Mas o preço pela vida é a morte da alma."

Uma leitura que sem dúvidas vale a pena, principalmente para conhecer um pouco deste momento histórico. Algumas vezes tive a sensação de estar lendo alguma das obras clássicas da literatura devido ao contexto histórico e as descrições do cenário, porém tudo com uma escrita bem mais leve e gostosa. O autor de alguma forma quis fazer uma homenagem aqueles que lutaram na guerra e as mulheres que reconstruíram o país após ela. 

"Aprendiam nos livros uma história escrita e impressa, sendo que a verdadeira história estava gravada com sangue em cada milímetro de sua pele e de sua alma."


| Editora: Schoba
| Autor: Paulo Stucchi
| Páginas: 256


Nenhum comentário:

Postar um comentário